17 de julho de 2019

Erva doce – Semente do perdão – desintoxicando o passado

Livrar-se do passado? Não! Libertá-lo. Abrir as portas e deixá-lo passar. A chave é o perdão.

Para melhor entender o trabalho energético desta  semente será preciso fazer uma analogia com o corpo humano. Excelente desintoxicante, pois age diretamente no estômago, fígado, vesícula biliar, intestinos e baço, ajudando a desfazer pedras. Além disso, tem propriedades diuréticas, que ajudam a eliminar, via suor, linfa e urina, tudo aquilo que o organismo não mais necessita.

Tanto assim, que é fato conhecido desde a Grécia Antiga, quando já era utilizada pelos maratonistas a fim de manterem a forma física, a longevidade e a força ao se prepararem para os jogos olímpicos.

Desde aquela época sabiam que a erva ajudava o corpo a se livrar de fluídos estagnados, ajudando assim no emagrecimento, evitando edemas. Com erva doce nada fica parado. Nem poderia ser diferente, é uma erva pertencente a Mercúrio.

No nível energético e emocional, ela é perfeita para ajudar o indivíduo a expressar as emoções pela via corretapela boca, como palavras, sejam doces ou amargas, que sejam expressas pela boca, ou pelo corpo em forma de afeto, quem sabe como arte ou esporte?

Caso sejam trancadas por emoções não digeridas, as palavras não ditas, transformam-se em gases, em problemas intestinais e, como fica claro, deixam de ser emoções ou palavras e tornam-se  algo putrefato, saindo por outra via.  Isto quando corre tudo bem e o sujeito tem sorte e proteção, pois há vezes em que elas cristalizam e manifestam-se como doenças.

Assim sendo, falar, gritar, expressar as emoções é de vital importância. Mercúrio vem em seu socorro através da erva-doce para ajudar a digerir, dulcificar, amornar ou mesmo esquentar o discurso. Aquilo que está estagnado precisa ser liberto. Desbloquear o medo é fundamental para a saúde.

A erva-doce nos incentiva a falar, a criar. Conceitualizar, intelectualizar ou teorizar sentimentos e emoções pessoais é a melhor via para bloqueá-los, transformando-os em verdadeiros monstros, fantasmas  que habitam o corpo, chamados miasmas.

Abra as portas e janelas, libere memórias estagnadas, expulse seus sentimentos doloridos de dentro da alma e fale, escreva, cante, ou se ficar difícil, grite!

Aqui passamos a experiência que temos com essa erva junto com a técnica que utilizamos com muito sucesso – herança materna. Vamos lá:

Imagine um idioma que você nunca falou e nem tenha ideia de como seja. É, esse mesmo… Coloque uma música e cante nesse idioma. Quanto mais absurdo lhe parecer, melhor será! Não tenha medo do ridículo, todos nós somos, em maior ou menor extensão, mas somos. (aqui lembrei do Poema em Linha Reta do Álvaro de Campos – Fernando Pessoa, se não conhece, vale a pena dar uma busca, mas “peraí”!)

O Osho tem uma meditação dinâmica chamada Gibberish, que significa “sem nexo”, “sem sentido”. O princípio é esse – coloque a música, dance e cante alto palavras “gibberish”. Fale um idioma sem nexo. Minha mãe costumava dizer que se sentia em um mercado persa quando fazia.

Se tivéssemos um aborrecimento ou mesmo uma dúvida difícil de resolver, sentávamos, eu, ela e minha irmã e falávamos num idioma inventado na hora. Conforme íamos falando, pelo tom que a “conversa” ia tomando, podíamos ver como nos sentíamos em relação àquilo.

Ok. Parece engraçado? E é. Parece maluco? Muitos acharão, mas os que tiverem coragem, verão que de doido nada tem! Uma coisa eu sei – é eficaz. Muito bom, eu diria Divino! O primeiro passo para resolver-se um problema, é deixar de lado o julgamento externo. “Estou parecendo louca falando nesse idioma? Estou falando uma língua que não conheço? Danço e canto sozinha bem alto?” Ok, sim. Afinal, a maior parte de nossos bloqueios estão em permitirmo-nos sermos julgados.

Esta técnica  desbloqueia o chakra laríngeo e muitas vezes a “conversa pode terminar em choro ou gargalhadas, mas ainda que uma solução não lhe ocorra naquele momento, nem sempre é assim, certamente ela virá, como insight, sonho, ou algo atribuído a um milagre. Afinal, com Mercúrio na área, a solução pode vir de formas surpreendentes.

Na verdade, o que acontece a seguir é um estado de relaxamento incrível, um alívio que pode levar inclusive à sonolência.

Quando você se sentir sufocado por um assunto, ou mesmo com a mente muito poluída por pensamentos desagradáveis, você pode e até deve fazer sozinho. Feche a porta do quarto, coloque a música – que achará na busca no Youtube como “música árabe” – aumente o som, e fale consigo mesmo em voz alta naquele idioma. Você se perceberá gesticulando, falando mais alto, modulando a voz até que pare e se faça silêncio. Atenção para só fazer qualquer técnica dentro do nível fisicamente confortável, não force a barra!

Para isto você deverá programar o relógio a fim de que não ultrapasse 9 minutos.  Tão logo cesse, veja como estava “a conversa”, em que ponto parou – ainda estava em tom alto, estava acalmando? Assim que parar, deite-se e respire normalmente. Se possível, já deixe uma música clássica de sua preferência pronta para emendar no relaxamento. Você vai se surpreender!

Prepare-se, ritualize, use o óleo essencial de erva-doce (ou funcho) em pequenas quantidades no aromatizador a frio ou rechaux.  Antes de qualquer técnica de limpeza de energias estagnadas, recomendo uma oração, um pedido de assistência dos seus amigos espirituais, sejam eles anjos, gnomos, fadas, orixás, tudo de acordo com sua crença, que inclusive, pode não ser nenhuma. O primordial é o respeito, a intenção e o sentido do sagrado. Agradeça.

Não use este óleo em caso: de  gravidez, amamentação, epilepsia, na presença de crianças até 5 anos, pessoas que façam tratamentos quimioterápicos. Tampouco use o óleo na pele, ok?

Aromaterapia só deve ser praticada com conhecimento – caso tenha dúvidas, consulte um profissional de sua confiança.

O óleo essencial de erva-doce ajuda no perdão. Principalmente no que diz respeito aos assuntos paternos. Pergunte-nos como – Marcelo Barroca e eu em breve traremos detalhes.

Artigo escrito por Valéria Trigueiro

Valéria Trigueiro é perfumeterapeuta com experiência na elaboração de perfumes personalizados segundo o equilíbrio dos 4 Elementos. Seu trabalho define-se como "Aromaterapia e Espiritualidade.

Comentários

Valéria Trigueiro

Valéria Trigueiro é professora de inglês por formação e aromaterapeuta por vocação. Escolheu dentre todas as possibilidades que a Aromaterapia apresenta, elaborar perfumes personalizados como item de “cuidados pessoais”. Para tal utiliza diversas ferramentas de investigação energética e emocional, fazendo anamnese profunda e testes olfativos. Dentre tais ferramentas podem ser encontrados a Carta Natal do cliente, o estudo dos setênios ou a leitura de oráculos com abordagem alquímica. Todos os produtos são elaborados com ervas e óleos essenciais da melhor qualidade, sem quaisquer aditivos químicos.

E-mail para contato