8 de agosto de 2019

Tomilho – o fogo sagrado do coração do Leão

De onde vem sua coragem?

Chegou o momento  do óleo essencial de tomilho. Para falar sobre ele, é necessária uma boa dose de coragem. Verdade. E esse é um dos assuntos que ele mais gosta de lidar.

Recentemente falamos sobre o signo de Leão e a afinidade entre a energia do signo e a do óleo essencial, e claro, apesar de criativos, não inventamos. A energia dessa erva é quente e seca, ou seja, sulfúrica. Por outro lado, suas flores são roxas, a cor atribuída à aristocracia em tempos remotos, e o melhor, têm efeito calmante, apaziguador dos ânimos. 

Ao observar a erva tomilho em seu habitat na natureza, podemos entender que, além de ter  efeitos catárticos – devido à revolução que causa nas emoções, trazendo-as “leoninamente” para fora – ao olharmos para suas flores, com suas cores que vão do lilás ao roxo, acalmam, apaziguam e nos fazem equilibrar pensamentos e sensações. Perfeito esquema de compensação. Esquenta, coloca para fora, depois evolui, esfria e acalma…!

Imagine uma pessoa chamada Tomilho, é um homem forte, musculoso, anda com o peito estufado como se estivesse pronto para enfrentar qualquer inimigo. Sua cabeça está sempre encaixada entre os ombros, que nunca se encurvam, exceto em casos graves, pois é humano. Não estamos falando de heróis, mas  quase isso.

Por falar em heróis, uma curiosidade que acho legal registrar é que os soldados romanos se banhavam com um preparado de tomilho antes de partirem para a batalha.

Ele, o Sr. Tomilho,  como todo mundo, diante de situações de perigo, sente frio na barriga, aperto na garganta, as pernas perdem um pouco a firmeza, mas ele, já nasceu sabendo que problema é para ser enfrentado, medo é para ser superado e desafio vencido, porém, mais o mais importante,  ele sabe:  a vida é para ser preservada e muito bem vivida. Ganha firmeza nas pernas já indo em direção àquilo que teme, vai com medo, mas vai! (e ainda faz pose de fortão).

Por esta razão, diante de situações limítrofes, ele não faz igual ao seu amigo Marciano, que abre a porta já pronto para dar uma cacetada na cabeça do primeiro que aparecer –  este nem pensa, mete a cara e muitas vezes quebra a própria.

O Tomilho antes de abrir a porta usa a observação, a intuição e o instinto… É mais esperto? Não diria isso, acho ambos legais, sou amiga dos dois, mas em caso de perigo chamo é o Tomilho mesmo, é mais seguro. Sua coragem vem das entranhas, sobe ao coração e se espalha por todo o corpo, o que garante uma atitude mais eficaz.

Ele tem a respiração profunda, respira segurança, caminha com firmeza e tem um senso de moralidade muito afinado com valores terrenos e espirituais ao mesmo tempo. É tão forte, sua presença tão marcante, que torna-se impossível passar algumas horas com ele sem que voltemos para casa impregnados de sua coragem, suas ideias e até seu cheiro…!

Ele é maravilhoso? Sim, mas, por favor, não se engane, pois quando ele abre a porta em caso de perigo, depois de respirar fundo, é de uma vez e sua ação é certeira, direcionada ao alvo e não tem para ninguém. Não há como reagir. Com ele se há perigo é para ser enfrentado, mas com consciência, por isso quando faz as coisas após se certificar que precisa agir, não tem caminho de volta, vai lá, faz e não se arrepende. Claro, que se ele fecha a porta pra você, também é de uma vez só!

Calma! Não estou falando de um assassino, de filme de faroeste não. É só influência do exagero que ele mesmo nos inspira. Ele é yang até mais não poder, dramático, teatral. O cara é “a presença”, com ele não tenho medo, sabe por quê? Ele não tem.

Autoconfiança, força, braços abertos para acolher, palavras duras para incentivar, meia dúzia de desaforos porque não aguenta o medo, a apatia ou a preguiça do outro. Estas  características  estão ali mesmo e você pode contar que vai contar com ele para lhe ajudar.

Sua força de vontade para conseguir as coisas é um dom. Ocorre que se ele ama você, essa força de vontade lhe é transferida em forma de amor, mas também pode ser de desaforo, porque ele não pode lhe obrigar a tê-la. Impaciência? Claro! Sem motivo? Ok, às vezes sim porque pode “pegar carona” na pressa do momento que ele mesmo esteja vivenciando. Mas quando tem razão, não se zangue, é só amor.

Ok, nem pensem que estou pensando em algum ser do gênero masculino em especial quando faço essa descrição. A verdade é que estou apenas me lembrando de uma pessoa a quem devo muito do desenvolvimento de minha força ariana, minha vontade de realizar e meu combate à preguiça.

E não é um homem musculoso, como poderíamos pensar e está descrito acima, é a força yang de uma senhorinha leonina, baixinha, e “braba” que só ela, mas o coração acolhia com bronca mesmo e com ação para você e por você. Um amor tão grande que criou 4 filhos e 4 netos, cheia de atitude, puxões de orelhas (literal) e cuidado.

Não tinha “eu te amo”, tinha comida na mesa, roupa limpa, chamada de atenção o tempo todo e “se mexa, não vai lhe cair o braço se lavar essa louça”; “não tem nada para fazer, vá arrumar um serviço”… só bronca da leonina mais linda da minha vida, minha avó Esmeralda, que fazia aniversário dia 06.08. Acho que é por isso que foi fácil escrever sobre a Vovó Tomilho, que em momentos de crise dizia assim: “Valei-me, meu Glorioso São Jorge! Conto contigo e tudo se resolve.” Olhava para o alto como se esperasse o “ok” dele e ia à luta! O engraçado é que tinha situações em que era: “Nossa Senhora, Maria Santíssima, valei-me!”  E o olhar para o alto aguardando o “ok” não falhava. Acho que dependendo do assunto era um ou outro… Na verdade, hoje sei que ela pedia ajuda, mas não esperava a resposta – atitude com fé – seu nome e sobrenome!

A Vovó Tomilho tinha uma intuição tão absurda que só de olhar para um planta, sabia para o que servia, fazia chás para quem precisasse. Estava sempre ocupada, mas disponível em caso de necessidade. Percebia situações que pudessem vir a nos prejudicar de longe e agia a seu modo.

Aparecia alguém simpático, agradável, tudo de lindo e … ela implicava! Eu, criança/adolescente, achava minha avó chata, e claro, não ligava. O tempo passava e … sim… ela tinha toda razão. Via antes, e se pudesse tirar a pessoa do nosso caminho no grito, não titubeava. Falava o que sentia, devia e precisava. Uma leoa de verdade.

Um leão que sabe de sua majestade não procura agradar, agrada naturalmente e a quem merece. Por outro lado, repele com a simples presença aqueles que não o merecem. Ah… se insistir, vai no grito e nas verdades que ninguém tem coragem de dizer, o Leão tem e o Tomilho ratifica. Uma combinação explosiva… e linda!

Pois é, em caso de medo, ainda chamo a minha avó! Lembro que sou sua neta ou penso: “o que vovó faria?” Dá certo!

Nota: Atenção, atenção, urgente: esse óleo essencial é altamente cáustico, aumenta a pressão arterial e pode queimar a pele. Assim sendo, certifique-se com um Aromaterapeuta de sua confiança sobre as dosagens. Só uso uma gota no difusor em casos de necessidade de limpeza de ambiente. É uma faxina geral, não fica um miasminha pra contar a estória.

Lembrete: Ao usar quaisquer espécies de ervas ou óleos essenciais, certifique-se das dosagens e da real necessidade em usá-los.

Artigo escrito por Valéria Trigueiro

Valéria Trigueiro é perfumeterapeuta com experiência na elaboração de perfumes personalizados segundo o equilíbrio dos 4 Elementos. Seu trabalho define-se como "Aromaterapia e Espiritualidade.

Comentários

Valéria Trigueiro

Valéria Trigueiro é professora de inglês por formação e aromaterapeuta por vocação. Escolheu dentre todas as possibilidades que a Aromaterapia apresenta, elaborar perfumes personalizados como item de “cuidados pessoais”. Para tal utiliza diversas ferramentas de investigação energética e emocional, fazendo anamnese profunda e testes olfativos. Dentre tais ferramentas podem ser encontrados a Carta Natal do cliente, o estudo dos setênios ou a leitura de oráculos com abordagem alquímica. Todos os produtos são elaborados com ervas e óleos essenciais da melhor qualidade, sem quaisquer aditivos químicos.

E-mail para contato