2 de fevereiro de 2017

Yemanjá e seu perfume

Yemanjá é a energia do Oceano, expansão, contração, pausa. Ela ali está no movimento e silencio da pausa das ondas. Ali ela está.

Ok, hoje é dia de Yemanjá. Muitas versões, muitas estórias, e todas belas. Não se pode dizer que uma seja a correta porque isto simplesmente não existe. Mito é símbolo, e uma característica dos símbolos é a de ser visto sob o ponto de vista possível de quem o vê ou ouve.

Assim, vou contar aquela que conheço por ter lido há anos atrás, o que significa dizer, que com o passar do tempo, minha memória pode tê-la modificado. Aliás, modificou sim, pois li outras versões, ouvi outras e quem sabe eu não tenha modificado o símbolo?

Ai meu Deus, que responsabilidade! Mas não se preocupe, pois a essência está mantida e em caso de necessidade, o Google está aí mesmo com muita gente boa falando sobre ela.

Conheci lendo Pierre Verger, um francês, expert em orixás. Lembro que era um livro grande e muito bonito. Devo confessar que tinha medo, pois achava que ele era “muito forte”.

Bobagens à parte, o medo foi embora, e o “muito forte” continuo achando. Vamos à lenda…, ou uma das versões.

Yemanjá era casada com Orunmilá, que era o deus dos oráculos, das adivinhações. Não sei exatamente como, se tinha divórcio entre os deuses, ou mesmo se havia algum acordo quanto ao assunto, mas a verdade é que ela casou-se também com Olofin, um rei, com o qual teve dez ou doze filhos – precisamos verificar – eu prefiro que fossem doze, pois a meu ver, faz mais sentido, cada um representando uma casa astrológica.

Não! Prometo não misturar as estações. Sei que um deles era Xangô – rei dos trovões e se manifestava junto com a chuva revelando segredos. E o outro filho seria Oxumaré – aquele lindo do arco-íris, que também se manifesta junto com a chuva.

Ocorre que ao casar, ela mudou-se de sua terra natal, Benim, para a terra de seu marido, Ifé. Ela não gostava daquele lugar e um dia resolveu fugir.

Sabemos que ela é uma deusa, e deusas são filhas de deuses, e por isso mesmo, apesar do risco em fugir, ela não titubeou em fazê-lo, pois tinha em suas mãos uma espécie de amuleto que lhe foi dado por seu pai, o deus Olokun.

Tratava-se de uma garrafa com um preparado muito poderoso e mágico, claro. A única recomendação que seu pai fez foi a seguinte: “Não se sabe o dia de amanhã”. “Leve esta garrafa com você e em caso de perigo iminente, quebre-a no chão.”  “Caso não veja saída, não titubeie em quebrá-la, pois não se sabe o que pode acontecer amanhã.”

E como a vida apronta das suas até com os deuses, quando a deusa viu, estava cercada pelo exército de Olofin. Ela botou a mão na cabeça e pensou: “Eu não volto, uma vez a decisão tomada pela minha própria vontade, não me deixo pegar mesmo!” Tirou a mão da cabeça e colocou-a na cintura, olhou para os soldados e espatifou a garrafa mágica no chão.

Sabe o que aconteceu? Imediatamente formou-se um rio aos seus pés, levando-a de volta para Okun, o Oceano, exatamente onde residia seu pai, Olokun. Ela é a grande mãe, mãe de todas as mães, e protege a todos, não importando se filhos seus são ou não.

Apenas para mostrar como os símbolos funcionam e as estórias ficam registradas em nosso inconsciente ou nossa alma, que, aliás, prefiro. Conto para vocês o que aconteceu comigo.

Lavender Spring Nature Bottle Field Purple Plant 

Como vocês sabem, sou perfumista e na minha bolsa pode faltar até dinheiro, mas um ou dois frascos de perfume feitos por mim, não faltam não. A mágica acontece assim: sempre aparece alguém perto de mim precisando de uma das fórmulas do perfume de um dos frascos, isso é certo.

Um dia estava eu em uma situação de estresse extremo, precisando sair de uma situação difícil e instintivamente

peguei o meu perfume como se para me proteger. Quando vi que estava lidando com pessoas desequilibradas, nada disse, apenas joguei a garrafinha no chão com toda a fúria.

Fúria sagrada, pois as pessoas que me ameaçavam sem motivo aparente, ao verem a garrafa quebrar-se, como que por encanto, recuaram, me chamaram de louca e se afastaram. Graças a Deus e Salve Yemanjá, agora sei!

A partir do dia em que lembrei dessa lenda, este transformou-se em meu perfume de Yemanjá, que por coincidência leva um dos ingredientes que ela curte, que é a alfazema. E eu, uso alfazema? Não. Não gosto, mas naquele dia estava lá.

Todas as lendas são verdadeiras em um ou outro momento de nossa vida. Elas são vivas!

Sugestão para honrar Yemanjá: óleo essencial de lavandim + óleo essencial de sálvia esclareia. Saiba mais   no nosso workshop – Aguardem agenda em breve.

Foto de Yemanjá: Escultura de Carybé fotografada por Sailko – retirada do site Creative Commons

Artigo escrito por Valéria Trigueiro

Valéria Trigueiro é perfumeterapeuta com experiência na elaboração de perfumes personalizados segundo o equilíbrio dos 4 Elementos. Seu trabalho define-se como "Aromaterapia e Espiritualidade.

Comentários

Valéria Trigueiro

Valéria Trigueiro é professora de inglês por formação e aromaterapeuta por vocação. Escolheu dentre todas as possibilidades que a Aromaterapia apresenta, elaborar perfumes personalizados como item de “cuidados pessoais”. Para tal utiliza diversas ferramentas de investigação energética e emocional, fazendo anamnese profunda e testes olfativos. Dentre tais ferramentas podem ser encontrados a Carta Natal do cliente, o estudo dos setênios ou a leitura de oráculos com abordagem alquímica. Todos os produtos são elaborados com ervas e óleos essenciais da melhor qualidade, sem quaisquer aditivos químicos.

E-mail para contato